Terapia Fotodinâmica (PDT)

A Terapia Fotodinâmica (PDT) é uma reação química ativada por luz, usada para destruição seletiva de um tecido e requer um agente fotossensibilizante no tecido-alvo, uma fonte de luz e oxigênio. Utiliza-se o ácido 5-aminolevulínico (ALA) para o tratamento de ceratoses actínicas, carcinoma basocelular e doença de Bowen.

A Terapia Fotodinâmica (PDT) deve ser considerada, em particular, para pacientes que apresentam lesões superficiais, múltiplas, disseminadas e para pacientes imunossuprimidos.

Mais recentemente, a Terapia Fotodinâmica (PDT) tem sido indicada no tratamento do fotoenvelhecimento, acne, hidrosadenite, esclerodermia, psoríase, verrugas, leishmaniose, entre outras.

Indicações

Pessoas que têm câncer de pele (não melanoma), formas menos agressivas de câncer que são as mais comuns: 95% de todos os casos detectados, pessoas com Acne, especialmente aquelas que não podem tomar isotretinoína (Roacutan®)  e para quem deseja rejuvenescer a pele.

Tecnologia utilizada e como age

A Terapia Fotodinâmica consiste na aplicação do Ácido 5-Aminolevulínico (ALA), que penetra e se fixa nos tecidos tumorais, folículos pilosos e glândulas sebáceas. Por ser uma substância fotossensível, o ALA capta a irradiação de luz e a direciona para o local a ser tratado.

Como o tratamento é realizado?

O médico aplica o Ácido 5-Aminolevulínico (ALA) no paciente e o deixa por 1 a 2 horas com curativo fechado para que haja a absorção da pomada pelo tumor ou pela pele. Depois aplica-se  a luz vermelha ou azul por aparelhos especiais.

Cuidados no pós-tratamento

Após cada sessão, a pele torna-se avermelhada e é proibida a exposição solar direta. As sessões são praticamente indolores, sente-se um leve ardor e calor local.

Alguns poucos cuidados devem ser observados por alguns dias após o procedimento, mas nada que comprometa a rotina do paciente. Na maioria dos casos, a pele estará recuperada de duas a três semanas após a aplicação.

Quais os resultados esperados?

Rejuvenescimento – a terapia fotodinâmica com luz amarela ou luz azul diminui as queratoses, efélides (sardas) e pequenos vasos sanguíneos dilatados na face, assim como melhora a textura, rejuvenescendo.

Acne – devido à atuação do ALA nas glândulas sebáceas, associado à luz azul, a terapia fotodinâmica consegue melhora importante na acne inflamatória.

Tumores cutâneos – uma única aplicação chega a melhorar até 80% das queratoses actínicas, dos carcinomas basocelulares e espinocelulares superficiais.

Conheça os tipos de câncer de pele não melanoma:

Carcinoma basocelular: é o câncer de pele mais comum, corresponde a 75% dos casos. Aparece como uma ferida ou lesão que não cicatriza e evolui lentamente.Sua incidência é maior a partir dos 40 anos, em pessoas de pele clara. Porém, com a constante exposição de jovens aos raios solares, a média de idade dos pacientes vem diminuindo ano após ano.

Este tipo de câncer costuma aparecer no rosto, pescoço, braços e mãos, além de áreas do corpo que estão permanentemente expostas ao sol. Não provoca metástases, ou seja, eral não se espalha para outros órgãos. Entretanto, pode apresentar característica invasiva e, com o seu crescimento, destruir os tecidos que o rodeiam, atingindo até a cartilagem e os ossos.

Ceratose actínica: é uma dermatose pré-cancerosa que surge nas áreas da pele continuamente expostas ao sol. As lesões aparecem principalmente na face, couro cabeludo (homens calvos) e dorso dos braços e das mãos.

Essas lesões podem ter os seguintes aspectos: avermelhados e descamativos; manchas de cor escura, discretamente elevadas e rugosas; ou lesões ásperas, bastante elevadas e endurecidas.

As pessoas de pele clara e idade avançada são as mais afetadas. A doença não é, entretanto, ‘privilégio’ de idosos. Estudos mostram que alguns casos de ceratose actínica evoluem para carcinoma, a forma mais agressiva do câncer.