Alopecia Androgenética

Manifestação fisiológica determinada por herança genética materna ou paterna, muito frequente nos indivíduos do sexo masculino e mais rara nas mulheres. A característica principal é a queda continuada dos cabelos com substituição por fios cada vez mais finos e menores até a interrupção do crescimento, levando à rarefação e ao afastamento da linha de implantação, culminando com a calvície.

Decorre do aumento da produção da diidrotestosterona (DHT). A dermatite seborreica (aumento de oleosidade e descamação no couro cabeludo) também pode estar presente, mas não é responsável pela calvície. No sexo feminino a alopecia androgenética se manifesta como rarefação difusa dos pêlos que também se tornam mais finos.

Geralmente as manifestações agravam-se após a menopausa. O tratamento visa o prolongamento da vida útil dos folículos pilosos retardando ou interrompendo o processo de queda dos cabelos. Pode ser feito através do uso de substâncias aplicadas diretamente no couro cabeludo ou com medicamentos por via oral.